Café Filosófico

cine instituto cpfl – 1º festival do audiovisual

De 06/11 a 05/12
>> As sessões são abertas ao público, gratuitamente, no Instituto CPFL. 

Endereço: R. Jorge de Figueiredo Corrêa, 1632 – Chácara Primavera, Campinas – SP, 13087-490
Telefone para mais informações: (19) 3756-8000

_____

Confira as datas das exibições:

06/11 | segunda | 17h
Avareza na literatura infantil | Pedro Caldas, 2019, 26 min, livre, documentário

Quando muito é pouco: a avareza no mundo contemporâneo – José Alves de Freitas Neto

Kafka | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Despertar e descobrir-se transformado num inseto gigantesco. Ou ser preso, e depois julgado, sem  sequer saber do que te acusam. Estas e tantas outras histórias que deixam a gente com o coração  apertado foram criadas por Franz Kafka, um dos maiores escritores do século 20. Kafka, filho de uma  família alemã judia nasceu em Praga, na República Tcheca, em 1883. Questionava o poder e a ciência  que inventaram baionetas, rifles, pistolas, canhões e morteiros, granadas e gases venenosos que  mataram mais de 16 milhões de pessoas, se considerarmos só o genocídio armênio e a Primeira  Guerra Mundial. Franz Kafka escreveu a vida toda. Não somente contos, novelas, cartas, mas  também diários, apesar de não ter ganhado dinheiro com suas obras. O mundo de Kafka trata do  absurdo, da impotência que sentimos diante da força das leis e do poder das autoridades, das  contradições sem solução, do corpo e dos desejos reprimidos. Os personagens nos causam  desconforto. Não à toa, quando somos tragados por um universo de burocracia, dizemos que  estamos numa situação kafkiana. Sua literatura, entretanto, pretende causar mais do que o  desconforto: ela quer ser como um machado, que corta o mar congelado dentro de nós, e que nos  reconecta com a nossa humanidade.

07/11 | terça | 17h
Ira e literatura marginal | Pedro Caldas, 2019, 26 min, livre, documentário
Da ira à esperança – Padre Contieri

Lacan | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Jacques Lacan transformou a psicanálise dizendo que ela poderia ser uma ciência da linguagem ao  invés da biologia, conhecido portanto como Linguística. O francês defendia que a psicanálise deveria  fazer parte do dia-a-dia das pessoas. Um de seus grandes interesses era o estudo da construção da  identidade; e a única ponte disponível entre o que somos por dentro e como as outras pessoas nos  veem é através da linguagem. Por meio da fala, escrita, signos, pela escuta do analista, que nossas relações com o mundo e com o outro são transformadas. E é pela linguagem também que nossos  sintomas são curados. Num analista, você conversa. Lacan dirá que você articula, simboliza,  ressignifica coisas do seu inconsciente, da sua história e assim realiza um processo de cura.

08/11 | quarta | 17h
Imagem e inveja | Pedro Caldas, 2019, 26 min, livre, documentário

O pecado envergonhado: a inveja e a tristeza sobre a felicidade alheia – Leandro Karnal

Bordieau | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Pierre Bordieau foi um sociólogo francês que vai estudar e propor sobre poder, privilégio.,  mobilidade social. Bordieau vai propor também as noções de capital social e capital cultural. Ele  escreveu as obras como Questões de Sociologia e O Que Falar Quer Dizer: a economia das trocas  simbólicas, um intelectual ativista.

09/11 | quinta | 17h (estreia)
O que vem depois do humano? | Rafael Scucuglia e Rafael Thomaz, 2023, 26 min, livre,  documentário

Freud | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Sigmund Freud, o “pai da psicanálise”, foi médico, especialista em neurologia. Depois de anos de  estudo e observação, começou a achar que era possível tratar de um jeito novo as doenças da  mente. Sem fazer lobotomia, processo comum na época que tirava um pedaço do cérebro da  pessoa. Para Freud, as pessoas têm desejos inconscientes. Esses desejos influenciam o  comportamento de todo mundo. E isso já começa quando a gente nasce. Freud desenvolveu os  conceitos de id, ego, superego e também como esse conjunto que forma nossa personalidade  podem gerar as neuroses e manias. Basicamente o que o psicanalista dizia era que existiam forças  na nossa mente em luta constante no insconsciente. Ele dizia ter achado um jeito de acessar o  inconsciente. Uma das formas de fazer isso, eram os sonhos. Pelos sonhos, nossos desejos  reprimidos apareciam. Um dos livros mais famosos do Freud chama “A Interpretação dos  Sonhos”.Os outros jeitos ele chamou de Livre Associação e Ato Falho. Há também uma teoria bem  conhecida: o Complexo de Édipo. Freud interpretava que todo filho tem um desejo inconsciente  pela própria mãe. Por causa de Freud muita coisa mudou no mundo. O jeito de tratar doenças da  mente, o jeito de educar crianças e de nos conhecer. Não à toa ele é chamado de “pai da  psicanálise”.

10/11 | sexta | 17h
Luxuria e literatura na vida | Pedro Caldas, 2019, 26 min, livre, documentário

A luxúria maldita – Luiz Felipe Pondé. Entre a luxúria e o pudor – Paulo Sérgio do Carmo

Donna Haraway | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem Donna Haraway estudava biologia no final dos anos 60. E a mistura de seu lado ativista feminista  com sua área de estudo culminaram no Manifesto Ciborgue. Publicado em 1985, ela tenta vencer  as barreiras que separam os seres humanos por gênero, cor, espécie, raça. Esse ser apresentado por  ela é o ciborgue, um híbrido do natural e do artificial. Segundo a bióloga, quando as pessoas dizem  que algo é natural, estão dizendo que não pode ser mudado. Para um ciborgue, a mudança é  constante desde de seu surgimento. Os padrões que nos são impostos como naturais são artificiais.  Ninguém nasce de um jeito. Ninguém nasce de um gênero – tudo é construído em nós. Haraway  explora as relações da ciência, da sociedade e do poder, sobretudo do patriarcado através do  manifesto. Portanto, mudar o lugar de onde se olha, para Haraway, permite enxergar outras  possibilidades de luta e de transformação.

13/11 | segunda | 17h
Quem é você | Cláudio Alvim, Rafael Scucuglia e Rafael Thomaz, 2019, 15 min, livre, documentário

A busca pela identidade no século 21, com Benilton Bezerra Jr., bourdieu: cultura, capital simbólico  e reprodução, com Ana Maria Almeida, identidade e desenraizamento, com Jurandir F. Costa.

 

Nietzche | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Friedrich Nietzsche nasceu em 1844, na Alemanha, filho de uma família com tradição religiosa. Era  um homem com saúde muito fraca e por isso se aposentou cedo. Isso deu bastante tempo para que  seguisse seus estudos contra o socialismo, que odiava. Para Nietzsche, todas as formas de igualdade  eram falsas, porque não existe igualdade na natureza – existe a lei do mais forte. “O que não te mata  te deixa mais forte” é uma frase dele. Entre os humanos, deveria prevalecer também o mais forte.  Inclusive, dizia que existiam algumas pessoas que eram superiores (Übermensch). Deveríamos, aliás,  ser governados por estas pessoas. No entanto, com o advento da religião e seu dogma sobre uma  entidade sobrenatural, invisível, pregava que todas as pessoas eram iguais. Ao mesmo tempo,  garantia uma casta de sacerdotes que estavam acima de todos, porque falava diretamente com este  ser invisível. Era o século 19, e várias descobertas científicas estavam sendo realizadas. Nesse  contexto que ele diz talvez uma de suas frases mais famosas: “Deus está morto”. Para quem criticava  tanto a igreja, não espanta a opinião dele de que toda religião é opressiva. Também nunca acreditou  numa raça superior. Para ele Übermensch era raro, pessoas entre milhões. Cada época tem reinterpretado Nietzsche de uma forma. Seu pensamento é poderoso e criativo porque vai na  contramão do senso comum daquela época. Bem, talvez dessa também.

14/11 | ter | 17h
De onde você é? | Cláudio Alvim, Rafael Scucuglia e Rafael Thomaz, 2019, 15 min, livre, documentário

Identidade, diáspora e exílio, com Ricardo Timm. Fundamentalismo, geopolítica e estabilidade  global, com Heni Ozi Cukier.

Henry Jenkins | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Jenkins é professor de comunicação, jornalismo e artes cinemáticas nos Estados Unidos. Foi chefe  do departamento de estudos de mídia do MIT durante mais de uma década. Basicamente, ele  explica no livro Cultura da Convergência, que antes da internet, toda a comunicação acontecia em  formatos de distribuição separados. Um filme era só um filme. Um livro era só um livro. Agora, as  histórias começam nos quadrinhos, mas podem continuar num filme, virar jogo, continuar num  livro. Cada uma é uma peça de um quebra-cabeça que monta a narrativa completa. Isso é a Narrativa  Transmídia. Jenkins lança depois outro livro, justamente falando que as histórias agora se espalham  pelas redes. A mídia precisa ser compartilhável. No Brasil esse livro se chama Cultura da Conexão.  Jenkins foi um dos primeiros a apontar a mudança naquele velho jeito de distribuir conteúdo  chamado “um pra muitos”, que o rádio e a televisão inauguraram. Não que isso vá acabar já, mas a  comunicação um-pra-um, agora, faz parte do nosso dia-a-dia. Mensagens de propaganda não  chegam mais só pela tv. Quem te envia é seu amigo, sua família e você mesmo quando manda para  os outros.

16/11 | quinta | 17h (estreia)
Inteligência artificial e nós | Rafael Scucuglia e Rafael Thomaz, 2023, 26 min, livre, documentário

A inteligência artificial tem transformado rapidamente as perspectivas e os desafios em várias áreas  da nossa vida. O medo de sermos superados ou dominados pelas máquinas parece obscurecer a  realidade mais imediata: essa inteligência é produto da humanidade e reflete as escolhas feitas por  aqueles que a desenvolveram. Como estamos lidando com esse processo revolucionário que já afeta  profundamente nossa vida cotidiana? Como vamos regular e estabelecer os limites para seu uso?

Baumann | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Sociólogo Zygmunt Bauman, criou os conceitos de de vida líquida, amor líquido, modernidade  líquida. O polonês fala principalmente de consumismo, relações humanas e capitalismo global em  seus textos. A velocidade do mundo é a velocidade das relações. Sua teoria é que hoje, vivemos num estado de coisas em que a liberdade gerou uma crise imensa. Essa liberdade impactou,  inclusive, a forma como as pessoas se conectam. Por exemplo: online, existe uma facilidade muito  grande para desconectar-se de uma conversa chata. Ao vivo, fica mais complicado sair de um papo  desagradável. Bauman examinou muito o conceito de felicidade, afeto, e como a sociedade  conectada levou o mundo para um lugar mais individualista. As pessoas, em busca de um ideal de  amor e de uma felicidade permanente, não estão jamais satisfeitas. Todos querem afeto, mas  também não querem comprometimento.

17/11 | sexta | 17h
Você é o seu cérebro? | Cláudio Alvim, Rafael Scucuglia e Rafael Thomaz, 2019, 15min, livre,  documentário

Neurociências: nós somos nossos cérebros?, com Francisco Ortega. A invenção do remédio, com Alfredo Simonetti

Judith Butter | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Judith Butler é uma filósofa dos Estados Unidos cujo trabalho tem a ver com pensar a política. É  conhecida por seus escritos sobre o feminismo contemporâneo, a teoria queer, ética e relações de  poder. No final dos anos 80, o feminismo discute os limites da categoria social da mulher. Butler  começa a dizer que essa categoria mulher é insuficiente. É impossível falar em nome de uma mulher  universal. Além de mulheres brancas, negras, indígenas, pobres, existem mulheres que estão além  da própria questão biológica. Não há nenhuma barreira biológica, diz Butler, que impede alguém de  tornar-se mulher, ainda que o registro diga o contrário. Butler tem como ponto de partida o legado  da colega filósofa Simone de Beauvoir, seu célebre livro O Segundo Sexo. Ela concorda com  Beauvoir: nada na natureza pode determinar uma certa ordem social – que é construída pela  humanidade. Judith Butler aponta como os modelos de feminilidade e de masculinidade acabam  justificando violações e violências cometidas por gente que se recusa a reconhecer a igualdade que  partilhamos. O resultado: feminicídios. Crimes de homofobia. Ela alerta: quando o ódio se torna  instrumento da política e da moral religiosa, a democracia está ameaçada.

21/11 | terça | 17h
A que você tem direito? | Cláudio Alvim, Rafael Scucuglia e Rafael Thomaz, 2019, 15min, livre,  documentário

Novas fronteiras entre identidade e direitos humanos, com bethânia assy. Ética do Cotidiano com  Mario Sergio Cortella e Clóvis de Barros Filho. Infância e política, Ilana Katz

Wiliam Gibson | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Gibson pegou o que havia de mais subversivo na ficção científica dos anos 70 conhecida como New  Wave e colocou num liquidificador com roupas de couro e cabos de computador. A meta dele era  pensar futuros radicalmente diferentes do presente, e com isso reintroduzir a incerteza na linha do  tempo. O futuro poderia não ser simplesmente uma evolução do que vemos hoje, mas algo  completamente novo. Com problemas novos. Neuromancer, Monalisa Overdrive e Count Zero  foram os livros mais famosos dele – que foram base, em grande parte, para a trilogia dos filmes  Matrix. Gibson é um dos grandes escritores – talvez o maior – do sub-gênero conhecido como  Cyberpunk. Mundos de alta tecnologia, drogas avançadas, cultura hacker e superpopulações  empobrecidas. Bem, talvez isso já não seja tão ficção em alguns lugares.

22/11 | quarta| 17h
O que é ser brasileiro? | Cláudio Alvim, Rafael Scucuglia e Rafael Thomaz, 2019, 15min, livre,  documentário

Hello, Brasil!, com Contardo Calligaris. Literatura e identidade no brasil, com Fred Coelho

Simone de Beauvoir | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

A filósofa Simone de Beauvoir escreveu o “Segundo Sexo”, em 1949. Falando do corpo e da  sexualidade, a francesa afirmava que ser mulher não é uma condição inata. Que, pelo contrário, as  pessoas tornam-se mulheres por causa das histórias que nos contam. Em outras palavras, o modo  como as pessoas são cuidadas inscreve nos corpos um conjunto de valores que na vida adulta vai  aparecer como destino. E este destino se manifesta em ser aquilo que se espera de uma mulher. A  feminilidade, portanto, é uma construção social. E isso determina o lugar que as mulheres ocupam  na sociedade. Segundo Beauvoir, uma maneira para construir um caminho de liberdade, é quando  as mulheres se reúnem, conversam entre si sobre os seus problemas, e tomam consciência de que  vivem problemas parecidos. Para ela, a emancipação da mulher tem a ver com os homens dividirem  o trabalho do lar e a gestão das crianças. Só assim as mulheres podem conquistar independência  econômica e soberania. Setenta anos depois do lançamento, o “Segundo Sexo” continua muito  atual. As mulheres ainda lutam contra as mesmas violências. E os sonhos de liberdade andam mais  vivos do que nunca, nos lares e nas ruas.

23/11 | quinta | 17h (estreia)
Algoritmo e você | Rafael Scucuglia e Rafael Thomaz, 2023, 26min, livre, documentário

Vivemos absolutamente conectados. Em certa medida, as conexões sociais são parte do que  nosfazem humanos, no entanto, o advento da internet e das redes sociais exacerbaram e  retorceram ossentidos da conectividade. A alta exposição, a necessidade de aprovação, a  ansiedade, a onipresença do consumo. Como todas essas instâncias nos atravessam?

Hannah Arendt | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Hannah Arendt, uma das maiores pensadoras do século 20 que vivou no contexto da Alemanha de  Hitler. Ela tentou entender como surgiu uma ideologia que justificou o assassinato de milhões de  pessoas: o Nazismo. O Holocausto, que matou milhões de pessoas, foi o que levou Hannah Arendt  a escrever o livro “As Origens do Totalitarismo”. Os estudos dela falam de poder, maldade,  autoridade, política e democracia direta. Hannah acompanhou o julgamento de Adolf Eichmann,  um oficial nazista, onde ela percebe que Eichmann não era um monstro, mas uma pessoa normal. E  ela afirma, ao contrário do que se pensava na época, que sob determinadas condições, qualquer  um poderia cometer as atrocidades do nazismo. Virar um assassino, trabalhar como guarda nos  campos de concentração ou gerenciar as planilhas que determinavam quem iria morrer ou viver. É  o que ela chama de Banalidade do Mal. As pessoas obedecem ordens e hierarquias sem questionar  muito. Por medo, por vergonha de contradizer um oficial. Outra sacada original dela foi pensar que  o totalitarismo não será mais realizado apenas a partir da vontade de um líder. Como na era dos  reis, onde se dizia que “isso é assim porque eu quero” e as pessoas obedeciam. A partir do século  20, os líderes totalitários precisariam justificar a violência e suas ações através de ideologias  coerentes e convencer a massa: “É assim porque assim vai ser melhor.” Hannah Arendt ensina que  é justamente quando a realidade nos parece mais inexplicável, é aí que se precisa pensar com mais  liberdade.

24/11 | sexta | 17h
O que é a arte brasileira? | Cláudio Alvim, Rafael Scucuglia e Rafael Thomaz, 2019, 15min, livre,  documentário

Semana de 22, artes visuais, com Ana Paula Cavalcanti Simioni. Semana de 22, música, Flavia Toni. Literatura e identidade no brasil, com Fred Coelho.

Manuel Castells | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Manuel Castells é um sociólogo que ficou muito conhecido por uma trilogia de livros chamada Era  da Informação. O espanhol escreve sobre como a informação é produzida, armazenada e  distribuída. E sobretudo como a internet afetou isso. A análise que ele faz é que o capitalismo não é mais comercial, industrial ou mesmo financeiro. Agora, segundo ele, uma nova forma de  capitalismo existe, baseada na informação: o Capitalismo Informacional. Ele também que inventou  o termo TICS: Tecnologias da Informação e da Comunicação. Um dos melhores exemplos disso é o  celular. O smartphone, que serve para ter acesso a muita informação além da sua função básica,  que é ser um telefone. A partir dessas tecnologias, Castells aponta muitas mudanças no mundo, nas  relações, no trabalho, no mundo acadêmico, e na família. O sociólogo se interessa muito pelo  impacto da tecnologia entre jovens, na política. Para ele, os jovens vivem um período de  possibilidades infinitas. Mas essa janela de oportunidade se fecha rápido, uma vez que o mundo  exige submissão, não permitindo a liberdade. De um lado, os jovens numa cultura global, aberta.  Conectados. Cultura da internet, que nasceu livre, e do outro, os adultos, os governos, que querem  mais controle. Inclusive sobre os jovens.

27/11 | segunda | 17h
Quais são suas responsabilidades? Cláudio Alvim, Rafael Scucuglia e Rafael Thomaz, 2019, 15 min, livre, documentário

Relações humanas no mundo contemporâneo: testemunho como chave ética, Márcio Seligmann  Silva. Como devemos viver? Sabedoria e felicidade, com Eduardo Wolf

Joseph Campbell | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem Joseph Campbell foi um professor de literatura dos Estados Unidos que estudou mitologia como  pouca gente estudou. Para ele, os mitos do passado nos ajudam a compreender o presente e a nós  mesmos. Todas as narrativas heróicas tem a mesma estrutura. Campbell deixou algo que se tornou  conhecido como “A Jornada do Herói”. A Jornada do Herói divide em etapas cada passo da história  do protagonista onde há medo, recusa, superação e outras semelhanças tanto nas estruturas das  histórias quanto na estrutura das personagens. Ele usou a teoria dos arquétipos, que o psicólogo  suíço Carl Jung desenvolveu, para encontrar modelos de personagens que se repetem em todas as  histórias de todas as sociedades.

Campbell não inventou uma regra, uma fórmula para escrever histórias, mas perceber as simetrias  entre narrativas pode nos ajudar a inclusive a encontrar a melhor narrativa para a nossa própria  história. Para nossa vida.

28/11 | terça | 17h
Mundos compartilhados | Pedro Caldas, 2018, 15 min, livre, documentário

O valor das diferenças em um mundo compartilhado | Benilton Bezerra Junior, Deficiência e diferenças | Izabel Maria Maior, Raça e racismos no Brasil Contemporâneo | Carlos Medeiros, O  movimento feminista negro no Brasil: vozes, sujeitos e políticas | Núbia Regina Moreira

Madame Bovary | Pedro Caldas, 2018, 03 min, livre, curtametragem

Madame Bovary de Flaubert e as tiranias da intimidade, com Margareth Rago

29/11 | quarta | 17h
Juventude e educação | Pedro Caldas, 2018, 15 min, livre, documentário

A era da curadoria: o que importa é saber o que importa!, com Mario Sergio Cortella. Jovens  Militantes na Educação, com Viviane Mosé e André Gravatá. Viver em Rede e viver da rede, com  Augusto de Franco. O que, afinal, aconteceu em junho de 2013? com Marcos Nobre. É possível uma  educação que busque a igualdade sem eliminar as diferenças?, com Bruno Tovar Falciano.

Dom Quixote | Pedro Caldas, 2018, 03 min, livre, curtametragem

Dom Quixote de Cervantes e a crise dos sonhos, com Janice Theodoro

30/11 | quinta | 17h (estreia)
Coexistir em sociedades? | Rafael Scucuglia e Rafael Thomaz, 2023, 26min, livre, documentário

A produção jornalística se transformou com grande velocidade a partir da ampliação do acesso à  internet. O surgimento de novas mídias deu voz a grupos antes distantes da produção e circulação  de notícias. Por outro lado, as redes sociais ampliaram a profundidade e rapidez do impacto das  informações em nossas vidas, muitas vezes reforçando antigos padrões. Como essa nova dinâmica  impacta nossa convivência social e digital? Como podemos pensar questões importantes como o  racismo na era digital e da superexposição imagética?

Macuinaíma | Pedro Caldas, 2018, 03 min, livre, curtametragem

Macunaíma de Mário de Andrade e o enigma do herói às avessas, com José Miguel Wisnik

01/12 | sexta | 17h
Família Contemporânea | Pedro Caldas, 2018, 15 min, livre, documentário

As configurações familiares e a violência simbólica de gênero, com Maria Aglaé Tedesco Vilardo.  Infância e novas configurações familiares, com Maria Rita Kehl. Responsabilidade: uma virtude  psíquica ou uma aquisição cultural? com Ivan Capelatto.

Hamlet | Pedro Caldas, 2018, 03 min, livre, curtametragem

Hamlet de Shakespeare e o mundo como palco, com Leandro Karnal

04/12 | segunda | 17h
Filosofia hoje | Pedro Caldas, 2018, 26 min, livre, documentário

A aurora do pensamento ocidental, com José Arthur Giannotti. De Alexandria a Roma, com José  Arthur Giannotti.Ética e Vergonha na cara!, com Mário Sérgio Cortella e Clóvis de Barros Filho. As  transformações do mundo contemporâneo, com Luc Ferry. A ética necessária: responsabilidade e  solidariedade, com Franklin Leopoldo e Silva.

Michel Foucault | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Michel Foucault foi um filósofo e historiador francês que teve grande influência no pensamento do  século 20, e ainda hoje é referência. Ele dedicou sua vida a criticar instrumentos de poder e controle  da sociedade, como a polícia, a escola, os sistemas de justiça, os médicos e a psiquiatria. Ele  pretendia entender como o poder opera em diversos níveis, para assim ser possível confrontá-lo e  mudar a sociedade. Um de seus livros mais famosos é chamado “Vigiar e punir, história da violência  nas prisões”. Este livro é de 1975, quando ainda não existiam câmeras de segurança ou celulares,  mas podemos atualizar o pensamento do historiador para entender a própria internet como um  gigantesco panóptico global. Ele diz que as escolas seriam parecidas com prisões, inclusive na sua  arquitetura. Para ele, a educação precisa libertar, e em geral faz o contrário. Outros escritos muito  importantes de Foucault falam da sexualidade e da loucura. Como historiador, ele dizia que  antigamente os loucos eram mais bem tratados que hoje. Andavam livres, eram vistos como  diferentes, não como pessoas que precisavam de cura. É a medicina contemporânea que teria inventado mais uma prisão para essas pessoas, os manicômios. O mesmo com o sexo. Para ele, tinha  menos tabus antigamente. Ele recupera a arte erótica medieval, especialmente oriental, para  mostrar o quanto o prazer livre era mais importante do que as regras impostas pela sociedade atual.

05/12 | terça | 17h
Orgulho Clandestino | Pedro Caldas, 2019, 26 min, livre, documentário

O mal primordial: o orgulho nosso de cada dia – Leandro Karnal

Sartre | André Deak e Felipe Lavignatti, 2019, 02 min, livre, curtametragem

Filósofo, escritor, ativista político, crítico literário. Jean-Paul Sartre foi uma das figuras mais  importantes e influentes do pensamento do século 20, e continua a ser até hoje. Foi um dos grandes  autores do Existencialismo, especialmente com seu livro mais famoso, “O ser e o nada”. Sartre é um  dos criadores do pensamento chamado “Absurdismo”. Basicamente trata-se de perceber o quão  absurdas são situações corriqueiras do dia a dia. Outro pilar do Existencialismo é pensar que, no  limite, todos somos completamente livres. Você pode fazer o que quiser. As pessoas em geral  tendem a achar mais confortável dizer “eu não tinha outra opção”. Isso, aliás, é o que Sartre chama  de má-fé. Fechar os olhos para outras opções e dizer que você não podia fazer mais nada. É claro,  existem consequências, mas você pode fazer o que quiser. Sartre era completamente anti capitalista. Ele dizia que o dinheiro é a coisa que mais faz as pessoas justificarem para si mesmos  que não são livres. Ele aponta que o capitalismo é uma máquina gigante nos diz o tempo todo que  precisamos comprar coisas. E para comprar coisas precisamos trabalhar. Isso aproximou muito  Sartre do Marxismo. Visitou Fidel Castro e Che Guevara em Cuba. A CIA tinha um arquivo enorme  sobre ele por isso. Seu pensamento é valioso até hoje porque nos ensina a pensar mundos que  podem ser possíveis para além do que vemos no dia-a-dia. Viver de maneiras diferentes, sobretudo  em nossas vidas privadas. Consumir menos, e portanto trabalhar menos.